close

administrador

BlueOliveDestaque

Bem vindos à China

20170520_114843
20170519_082354
20170519_080402
20170519_080107
20170519_073523
20170519_073250

Antes de uma pessoa viajar para algum lugar, imagina como serão as pessoas, os sítios, a comida, etc. posso dizer que tudo o que imaginei nada bate certo.

Estamos cá há precisamente 3 dias e posso dizer que adoro. Tenho pena de não ter despendido mais tempo da nossa viagem aqui, acho mesmo que temos que voltar.

Ler mais
BlueOliveDestaque

Port Douglas – Um acaso com sentido

img_0896
img_0382
img_0529
img_0563
img_0576
img_0577
img_0602
img_0640
img_0656
img_0794
DCIM100GOPROGOPR1159.
DCIM100GOPROGOPR1166.
img_0296

Água transparente, peixes gigantes com dentes visíveis, peixes com cores do arco íris, corais que só em filmes… foi assim a minha entrada no mar na grande barreira de coral. Escrevo e apago esta frase vezes sem conta, pois é difícil explicar a sensação que se tem ao mergulhar num sítio como este. Digo sem pestanejar que foi das experiências mais fortes que tivemos nesta viagem… Estava excitada por ir mergulhar, mas depois de estar lá dentro admito que o coração começou a bater rápido, não do medo que estamos habituados a ter, mas da imensidão que é o oceano. Como me senti minúscula ao pé daqueles corais e animais que ali vivem. Como senti grata por viver aquela experiência.

Ler mais
BlueOliveDestaque

Byron Bay – Um sítio com onda

amigos-em-byron-bay

Byron Bay é sem dúvida um dos locais com mais significado na nossa viagem.

Em primeiro lugar, porque foi onde combinámos encontrarmo-nos com amigos que também estão a viajar pelo mundo, em segundo lugar porque foi a terra australiana que escolhemos para parar mais tempo, mais ou menos a meio da viagem e por último porque é considerado o sítio da moda na austrália.

Ler mais
BlueOliveDestaque

Viajar e questionar

img_9404

Sou a Carolina. Tenho 32 anos. Casada. Mãe de 3 filhos. Atualmente a viver à volta do mundo. Passaram 5 meses desde a nossa partida e a pessoa que saiu de Portugal não é certamente a mesma que vos escreve hoje. A ideia desta viagem surgiu primeiro para ter tempo em família, ter tempo para os meus filhos, para os descobrir e ver crescer.

Ler mais
BlueOliveDestaque

About Homeschooling – Entrevista a Jody Mockabee

20161231_063106

E porque um dos temas da nossa viagem é o homeschooling, quisemos colocar algumas perguntas a quem o faz diariamente. Aproveitamos para partilhar as perguntas que enviamos à Jody Mockabee. Mãe de 5 filhos, Jody pratica o homeschooling com todos e é já seguida por milhares de pessoas de todo o mundo. Aqui ficam as perguntas que fizemos:

Ler mais
BlueOlive

A descoberta da amizade

img_7696

Numa viagem como esta é algo que pensamos muito – nos nossos amigos!
Mas ontem uma amiga, ao fazer as suas críticas aos artigos que escrevemos, sugeriu falar sobre alguns temas que ela gostava de ler e assim vou fazer, mas antes não podia deixar de pensar e escrever na sorte que tenho em ter amigas tão verdadeiras. Em que a distância e as saudades, nos fazem ver ainda mais o quanto amigas somos.

Ler mais
BlueOlive

A chegada à Nova Zelândia

img_4449
img_4526
img_4749
img_4953
img_4764

Os meses que para nós são fins de semana e os dias que mais parecem minutos.
A vinda para a nova Zelândia estava marcada para domingo, dia 22 de Janeiro, as 12h. Ups…
21 de Janeiro às 17h33
“Carolina, estamos com uma ligeira questão. O voo afinal não é amanhã, mas sim daqui a bocado. O voo é à meia noite e não ao meio dia de amanhã…”.
Vendo agora, ainda conseguimos fazer muita coisa, marcámos o hotel onde íamos dormir as duas primeiras noites, pusemos a fazer um peixe no forno com legumes cozidos (não sabem o bem que nos soube e as saudades que tínhamos de comer peixe); fomos todos tomar um duche, entregámos o carro (que por sinal estava alugado até ao dia seguinte) e fomos para o aeroporto com algum tempo, ninguém diria já que embarcamos no último minuto (mas deixo isto lá mais para a frente). Chegámos à Nova Zelândia, mais especificamente a Christchurch e apesar de ser verão o tempo não estava muito bom. O frio fazia sentir-se e a chuva acompanhou-nos o dia todo. Eram 06h da manhã, depois de uma noite sem dormir lá fomos nós apanhar um táxi para nos levar ao apartamento que só abria as 8h30. O taxista super simpático, explicou-nos que o jardim que existia era o maior do mundo no meio de uma cidade, tinha varias atividades para se fazer e tudo era grátis. Disse que aqui todas as pessoas eram felizes, tinham uma casa e um pequeno jardim onde plantavam os seus legumes. Explicou também que as casas ali eram todas feitas de madeira e que na maioria dos casos não tinham mais que um andar por causa dos terramotos.
Depois do check-in feito fomos apanhar o shutle para ir ao Discover Center Antartic, onde se faz uma verdadeira viagem ao pólo sul. Este centro é considerado um dos locais melhores para perceber o que é estar num local tão inóspito, há várias simulações disponíveis: andar nos hangle, carros próprios para andar neste tipo de terreno, sala geladas com simulação de temperatura e ventos, filmes 4D e muitas outras experiências, no final saímos satisfeitos.
Exaustos do dia que parecia não ter fim fomos para o apartamento ver um filme e dormir.
No dia seguinte fomos fazer umas compras de necessidade (um casaco quente para a mãe e uns ténis para o Pedro), depois disso o André pai foi trabalhar e nós fomos conhecer a cidade. Fomos ao museu, conhecer o primeiro edifício construído na cidade, que foi uma escola, passear no jardim e voltámos ao final do dia.
O terceiro dia na Nova Zelândia era um dia que prometia já que íamos levantar a autocaravana (outra vez?!?!?!?! Não têm juízo?!?!?! Gostam de sofrer?!?!?). Para quem não se recorda, na Austrália alugámos uma caravana 20 dias, mas como estava tudo cheio, ficamos claramente com uma caravana das que ninguém quer em que nada funcionava. Ainda assim e com lembranças da última experiência, resolvemos arriscar, já que na Nova Zelândia faz ainda mais sentido fazer a viagem desta forma, o país é grande e quase todos vamos mudar de sítio pelo que fazer check in em hotéis todos os dias não é prático. Resolvemos dar oportunidade a uma autocaravana melhor e posso dizer que até agora estamos muito contentes (é o mesmo que comparar um hotel de 5 estrelas a uma pensão estrelinha). Claro que não correu logo bem, já que na primeira noite quando íamos fazer o jantar já depois de andarmos 3 horas e estarmos todos exaustos, o gás não funcionava. Mas fica mais um jantar memorável de cereais para mais tarde recordar.

Ler mais
BlueOlive

Tasmânia para já em 1º Lugar!

img_3587

Se a Tasmânia era o paraíso não quero imaginar o que iremos dizer da Nova Zelândia. Quando chegámos à Austrália, conhecemos uma senhora que nos disse que as paisagens nesta zona estavam pela seguinte ordem: em 3º a Austrália, 2º a Tasmânia e em 1º a Nova Zelândia. A ver vamos, mas a Tasmânia deixou marcas.

Chegámos à Tasmânia mesmo a tempo da chegada da regata Sydney-Hobart. Foi um dia bem passado, vimos veleiros a chegar, tripulações a festejar. Os miúdos tiveram direito a pinturas na cara, jogos, balões, música e conhecemos a Sofia, o Peter e as filhas. A Sofia é portuguesa, casada com um australiano e vive na Austrália, em Port Douglas, há 8 anos. Estavam de férias na Tasmânia e, passados alguns minutos de conversa, já estávamos sentados à mesa para jantar a contar e a ouvir histórias. Tínhamos um sítio já cortado do nosso itinerário, mas como não acreditamos em coincidências… Esse sítio voltou a fazer parte do nosso roteiro com muito entusiasmo. A Sofia e o Peter vivem lá e convidaram-nos para ir passar uns dias com eles.

Ler mais
BlueOlive

Tas…mania

20170108_024135-copia
20170108_045152-copia
20170108_060155
20170104_050618
20170104_054746

É um daqueles sítios que sempre tive vontade de conhecer, talvez por ser tão distante e como tal tão diferente. Sempre imaginei uma Tasmânia praticamente sem pessoas, em que tudo é fácil, com uma natureza exuberante e praias virgens prontas para serem descobertas.

Posso dizer que a Tasmânia não é nada como idealizava e ao mesmo tempo é exatamente o que esperava. Ou seja, não vi nada igual ao que tinha na minha cabeça, mas no fundo se pensar bem as experiências que vivemos foram exatamente o que estava a contar viver.

Ler mais
BlueOlive

Kangaroo Island

20161222_022823
20161222_025148
20161222_025404
20161222_030856
20161222_032806
20161222_063222
20161222_072850
20161222_223510
20161223_011459
20161223_020528
20161223_031246_001
20161224_023026
20161224_024601
20161224_092045
20161224_093025

O instinto trouxe-nos até esta ilha ao sul de Adelaide. Não é fácil cá chegar, após termos feito toda a Great Ocean Road, fomos até à região de Adelaide e por fim apanhámos o ferry até Kangaroo Island na nossa caravana. Esta é a única forma de chegar a esta ilha e infelizmente o ferry não é barato, pelo que acabámos por gastar mais algum dinheiro do que contávamos com esta decisão.

Se valeu a pena? Sem dúvida, decidimos que iríamos passar aqui o Natal e não nos arrependemos. Já que íamos estar longe de tudo e de todos os que gostamos, então mais valia irmos para um sítio o mais diferente possível e Kangaroo Island revelou-se ser ainda mais diferente e especial do que estávamos à espera.

Ler mais
1 2 3 4
Page 1 of 4